24 junho, 2010

Eu - e - minhas filhas na escola.

Desde que decidimos vir em família , eu tinha a plena certeza que embarcariam comigo muitas preocupações. Uma delas seria o ambiente social e "acadêmico" das meninas .

Ainda no Brasil buscando informações sobre pré escolas na Suécia, optamos pelo IPSL- International Pré School of Lund- por ser particularmente destinada a pais e filhos que vivem temporariamente no país. Seu currículo permite uma transição mais suave e menos traumática para a criança . A língua é o inglês e os alunos tem o contato diário com diferentes culturas pois a escola recebe crianças do mundo inteiro.

Grande mural na entrada da escola identifica os alunos de diferentes países.


Tenho frequentado as salas diariamante e percebo que todos são respeitados e compreendidos mesmo que falando sua língua nativa. Laurinha por exemplo é muito tranquila, tudo pra ela está bom. A professora comenta que ela brinca conversando em português com os colegas.

- Aisha, vem brincar comigo de baldinho?

Aisha e outras meninas que fez amizades saem para acompanhá-la e brincam como se estivessem falando o mesmo idioma. É incrível como as crianças nos dão uma lição. Aqui a língua ultrapassa fronteiras quando o assunto é "ser criança." Acredito que aos poucos irá aprender o básico para se comunicarem integralmente mas o importante é que agora a escola para ela não é motivo de sofrimento.

Já para Beatriz, a mais velha, ainda me preocupo pois é uma criança que aprecia ir a escola, lê e escreve convencionalmente desde os cinco anos porém é tímida e reservada. Sua adaptação já é mais duradoura e "sofrida". Consegue ainda que tão pequena carregar com ela o stress de não dominar a língua, da incompatibilidade de ensino e consequentemente o da insegurança. Estamos sempre buscando acalmá-la quando compara o ensino daqui com o da escola que estava, quando diz que não quer almoçar mas a professora não compreende o que ela fala ou quando simplesmente tem saudade de ler em voz alta para os colegas.

Bia desenhada por mim e eu por ela.
Dia em que participei da aula , março de 2010.

Confesso que eu também demorei para compreender algumas coisas. Ainda que não comente com elas, me incomodava ver as crianças frequentando o parque da escola por mais de 1h diária- e isso é regra- faça sol, garoa, temporal, neve, caia pedra ou o que o céu desejar para aquele dia... Não importa!

A educação por aqui prioriza o contato da criança com a natureza e há até pré escolas que são ao ar livre o tempo todo. O amor do País com a natureza é revelado através da sua preocupação com o meio ambiente. Há ainda clubes e instituições que organizam atividades ao ar livre como uma espécie de escola da natureza e se estamos falando de educação este assunto não pode faltar por aqui. Penso que o mais curioso ainda é o fato de estranhar o contato dos pequenos com o que temos de mais precioso e de graça neste mundo. Esta é uma lição que vou carregar comigo enquanto mãe e educadora.

Outro fato curioso (e bastante aplaudido por mim) é que os pais dividem as tarefas da escola com todas as outras famílias , educadores, coordenadores e diretora. Semanalmente recebemos um jornalzinho com a descrição de todo o trabalho pedagógico desenvolvido e a desenvolver nas diferentes turmas segundo o planejamento de cada professor. Os pais podem contribuir com os projetos motivando seus filhos a ir ao encontro do objeto de estudo descrito no documento. Há ainda dias em que somos convidados a participar da rotina dos filhos na sala de aula. Tudo é realizado com transparência e as crianças percebem o quanto aquele espaço é também importante e valorizado pelos pais. A escola não é apenas um lugar para "guardar" os pequenos enquanto as famílias estão ausentes.

Hora do lanche e Laurinha com a Bia conhecendo a escola.

A limpeza do prédio também é feita pelas famílias. Há uma escala no mural de entrada com divisão de tarefas e muito trabalho para deixar o espaço de aprendizagem dos filhos mais harmonioso e agradável. Os que ali frequentam buscam manter o local limpo preservando o que é do coletivo . Pra vocês verem que continuo aprendendo neste País... Com tudo!

Neste momento as meninas estão em férias. Em agosto um novo ano letivo se inicia. Laurinha continuará na mesma escola mudando apenas de turma. Bia que ainda estava em adaptação, agora com seis anos não mais poderá frequentar a pré escola. Foi matriculada no ISLK -Katedralskolan e terá que enfrentar mais de perto outros desafios. Soube que em seu currículo irá participar semanalmente de aulas de português ( ela gostou). Duas de suas amigas da antiga escola estarão com ela em mais esta jornada. E é claro eu e o pai o tempo todo. Torçam por nós!




11 comentários:

Tati Pastorello disse...

Que saudadeeeeee!!!! E que forma ótima de matá-la! Que texto lindo. Me senti ao seu lado, vivendo a beleza, a angústia, as estranhezas e curiosidades de experimentar o ambiente escolar de uma forma tão diferente! Com certeza temos muito o que aprender com eles. Imagino como seja para a Bia e posso imaginar sua angústia... Mas ela vai se sair bem. Ela também tem suas estratégias: lembro de um post antigo, você contando como ela explicou para a Laurinha como deveria agir, para fazer o que todos faziam!! hehe Adorei aquilo. Elas estão aprendendo muito! Voltarão descoladas, muito maduras, com uma vivência espetacular!!
Beijos.

Françoise disse...

Tattttti,
Você????? Que alegria. Espero que esteja bem. Saudade de você também. Obrigada pelo carinho de passar por aqui msmo estando em trabalho. Você faz falta!!!!
Beijos

Isadora disse...

Fran, adoro a forma como você escreve. Você é uma verdadeira contadora de história e o melhor, da vida real.
Ao ler o que você escreve acompanhamos os seus sentimentos.
Aproveite bastante as férias e tenho certeza de que a Bia conseguirá ultrapassar mais esse desafio. Crianças conseguem ultrapassar todas as fronteira e quando vocês voltarem, elas terão vivido uma experiência e tanto.
Um beijo grande

Denise disse...

Gostoso ver as jovens mamães interagindo, trocando experiências e emoções por conta de seus pequenos.
Linda, Françoise, a lição de cooperação e participação direta dos pais no processo de aprendizagem de seus filhos - melhor dizer processo de vida, não é?
"Esta realidade não me pertence mais"...rs...logo estarei auxiliando os filhos nas tarefas, sendo que educar meus netos caberá a eles - porque quero muito mais curti-los mesmo!!!...rsrs

Chamo a hora de estar aqui ou lá no cantinho da Tati, de a "hora da saudade"...vcs me remetem a um tempo delicioso...obrigada, querida, por esse presente.
Beijos

Lu Souza Brito disse...

Oi Fran, tudo bem?

Que exemplo de cooperação entre pais, professores e escola né? Ainda acredito que aqui um dia será assim. Não tenho filhos mas já me preocupo com o tipo de educação que terão, baseado no que vejo por aqui. Dá até medo.
Curta bastante as férias com as meninas e continue nos contando as aventuras de viver na Suécia, ahahha.
Beijos e ótimo fim de semana (hoje é dia de torcer pelo Brasiiiiiillllll!!!

Glorinha L de Lion disse...

Fran querida, que lições um pais tão desenvolvido como esse nos dá através de suas estórias, contadas tão bem! Fico encantada como vc nos conta tão naturalmente, como se vivêssemos aí ao seu lado as suas vivências. Que espetáculo de país! Que experiência maravilhosa vcs e sua filhas carregarão para o resto da vida! Fique tranquila quanto à Bia, crianças tiram de letra as dificuldades.
Maravilha de post! Beijo grande.

Regina Guedes disse...

Olá!! Dê tempo a Laurinha. É tudo muito novo! E ela vai ter companheiras de jornadas. Tudo vai dar certo!
Beijinhos

Lúcia Soares disse...

Françoise, a via aí parece em outro planeta, né?
Tudo muito organizado, muito participativo, muito em favor da natureza e integração.
Sempre faloq ue o Brasil não tem jeito de melhorar porque é um país muito grande. Mas se cada Estado fizer a sua parte, outros acompanharão, formaria um "efeito dominó" e daria solução a vários problemas. Porque é muito mais fácil governar um país pequeno do que um enorme como o nosso.

No entanto, o que mais vemos são Estados ricos se preocupando com tudo, menos com a educação. Estamos há anos luz da Europa, nesse quesito!
Uma pena!
Mas tenha certeza de que suas meninas acompanharão tudo sem maiores dificuldades.
Beijos!

Astrid Annabelle disse...

Françoise!
Vamos combinar uma coisa? Eu fico aqui sentada ouvindo...continue contando as suas aventuras diárias!!!
Que delícia!
Quanto aprendizado!
Todos os desafios serão vencidos acredite.
Parabéns por essa linda família que você tem!
Um beijo doce
Astrid Annabelle

Olhar Simplismente... disse...

Françoise, adoro ler os teus textos.Você transforma a tua vida real em lindas hitórias.
Que lugar maravilhoso, você mora!
Quanto as meninas logo vão se adaptar
Abraços

Maíra disse...

Olá, tenho 29 anos, sou casada tenho 1 filha de 6 anos e moro em Caraguatatuba/SP. Encontrei seu blog por acaso quando estava procurando uma receita de flan... e acabei gostando muito do que encontrei por aqui, estou acompanhando tudo e acho incrível sua força como mãe, dona de casa esposa... enfim, viver tudo o que vc está vivendo. Aqui segue meus votos de carinho e felicidade pra vc e sua família.
Um beijo!
Maíra.